Agendar Doação Sangue

Área do Médico

Portal do Colaborador

A cura para alma

 


O mês de dezembro nunca me agradou. Apesar de todas as festas, da aparente alegria, apesar de tudo, nao sei explicar, mas, a melancolia se aproxima. Talvez pelos brinquedos esperados e nao recebidos nos natais e aniversários da infância e adolescência, da lembrança dos que nao serao mais vistos, as dificuldades e tristezas de muitos, ou, pelas coisas que nao sabemos e outras que ocultamos. Dia desses, revi o filme “Dólar Furado”, um enredo simples, na adolescência e com a inocência dos anos sessenta do século passado isso nao importava, lembro bem, no centro de Vitória, no cine Juparana, o ator Giuliano Gemma era o mocinho que fazia justiça, o cinema era ilusao e crença, coisas que no dezembro atual parecem estar bem longe.


            No último final de semana estava na praia de Itapoa, Vila Velha, município canela verde, litoral mais bonito do Espírito Santo, a cidade apresenta áreas urbanizadas e locais ainda virgens das mazelas humanas. No céu, as nuvens escuras me assustaram e desisti de caminhar pelas areias da praia. Desiludido, voltei a Cachoeiro. No caminho, o vento ia afastando as nuvens e mostrava um lindo campo ensolarado. Com o passar do tempo confirmei: nem sempre o que se anuncia se concretiza. Assim, nao devemos sofrer por antecipaçao. Nao devemos deixar nossos receios e medos aflorarem. Meio século de vida foi preciso para a observaçao, tenho a impressao que nao será suficiente para mudar comportamento.


            Para desfazer a tristeza e aproveitar o restante da manha do domingo, passei a admirar as árvores e os campos verdes. As árvores que purificam o ar e fornecem a sombra para o descanso, amortecem ruídos e criam a beleza. No campo, próximo a  Br 101, fui admirando o Flamboyant. O vermelho das suas flores e a negritude das nuvens passadas me lembraram Stendhal com seu clássico: O Vermelho e o Negro. A história se passa no século XIX, a paixao descrita no livro me deu a certeza que o mundo é movido pelos apaixonados. Paixao dos enamorados, pelo livro, pela ciência, pelas artes, música, esporte, paixao pelo ser humano, natureza e animais. Paixao pela vida.


            Ao atentar a s coisas da natureza, na sutileza das árvores e no campo, fui assistindo um dezembro diferente. Uma liberdade. Livre por momentos. O bastante para a manha. Ficou a dúvida para os dias que viriam. Nao pensei. Descobri que dezembro nao é um mês triste. Triste eu estava. Dezembro é o mês que o Flamboyant floresce. A Br 101 é toda preenchida pelo seu vermelho e na rodovia Cachoeiro-Safra começava a aparecer a Acácia, o amarelo se destaca. A Acácia do Egito antigo, árvores sagradas, sua mística permaneceu com os Hebreus e arabes. A magia da flor amarela permanece. Nao tanto quanto no vermelho do Flamboyant, que apesar de nao ser tao antiga e cultuada pelos egípcios, está eternizada na música de Raul Sampaio, em Meu Pequeno Cachoeiro.


            No centro de Cachoeiro e nos bairros vao se alternando o amarelo das Acácias e o vermelho do Flamboyant, as cores fortes e vibrantes me fizeram esquecer a escuridao das nuvens daquela manha. Esquecer que no dia seguinte eu poderia nao mais ver o vermelho ou amarelo das nossas árvores.


 



  
Dr.Sergio Damiao Santana Moraes


 


 

Confira mais Notícias

Santa Casa ganha R$ 10 mil com Nota Premiada. Saiba como você também pode ajudar

Santa Casa Cachoeiro e Lar de Idosos farão homenagens no Dia das Mães

Paciente internado se emociona ao receber serenata na Santa Casa

Santa Casa Cachoeiro inicia obra para ampliar número de leitos no Pronto Socorro 

Funcionários da Santa Casa são imunizados contra a gripe

Santa Casa Cachoeiro faz blitz educativa e bate-papo para evitar acidentes de trabalho

Santa Casa faz nova captação órgão para pacientes na fila de transplante 

Lar de Idosos terá pintura de ovos e almoço especial de Páscoa